REPORTAGEM EXCLUSIVA

VÍDEO: “É uma falta de dignidade humana”, diz cadeirante abandonada por ônibus

Dona Claudete utiliza a linha 281 Costa do Moçambique para ir até o tratamento que fica na Policlínica do Norte da Ilha

COMPARTILHE ›

Claudete Garcia Oliveira, 48 anos, espera sempre a chegada da segunda-feira para ir em direção a fisioterapia, um tratamento necessário para a colocação de uma prótese. Cadeirante, ela não desiste mesmo tendo enfrentado problemas de locomoção entre o Rio Vermelho e o Terminal de Integração Canasvieiras (Tican). Ela utiliza a linha 281 Costa do Moçambique para ir até o tratamento que fica na Policlínica do Norte da Ilha.

CLIQUE AQUI E CURTA A PÁGINA DA RÁDIO FELICIDADE NO FACEBOOK

Na última segunda-feira (19) enfrentou pela segunda vez o mesmo problema no veículo 1485. Ao dar sinal para o ônibus, ele parou e o elevador utilizado na porta central para embarcar passageiros em cadeiras de rodas não funcionou. O motorista tentou fazer o equipamento funcionar, mas não deu certo. Irritada, dona Claudete gravou o vídeo acima mostrando as falhas do equipamento.

Quando começou a pensar numa alternativa, como entrar engatinhando no coletivo, o motorista arrancou com o ônibus sem dar satisfações.

“Comecei a filmar. (…) Filmei e fiquei de costas esperando o elevador. Para minha surpresa, ele arrancou sem me dizer nada. Eu não acreditei. Ele poderia ter me dito: senhora deu problema, eu vou na garagem vamos resolver seu problema. Sem consideração. Fiquei com cara de idiota na chuva e no frio. Fiquei indignada e chorando. (…) Passei por cima da humilhação, do choro e comecei a pedir carona. Passaram vários até que um parou, me deu carona e cheguei na fisioterapia chorando, muito humilhada”, comentou.acessibilidade-onibus-consorcio-fenix-cadeirante-elevador-2

Este problema se repetiu com Dona Claudete na semana anterior. Quando o coletivo estacionou o elevador não funcionou. Depois de um tempo, ela conseguiu embarcar após motorista mexer no equipamento. Porém, ao chegar no Tican, o equipamento não funcionou novamente e ela precisou desembarcar engatinhando. Na volta, ela foi pegar o coletivo e o elevador não funcionou novamente.

O relato de dona Claudete coloca em xeque a manutenção dos elevadores para deficientes nos ônibus que circulam no Norte da Ilha em Florianópolis. No dia 2 de Fevereiro, o Jornal Conexão Comunidade publicou reportagem mostrando que 69,38% dos 454 ônibus que atendem o sistema convencional possuem plataformas elevatórias, o que representa 315 veículos. Uma lei federal determina que as frotas estejam 100% adaptadas, mas o prazo final era 2014 para todas as empresas de ônibus do país se adequarem.

Procurado pelo Jornal Conexão Comunidade, o Consórcio Fênix mandou nota dizendo que lamenta o episódio e pede desculpas a usuária. Na nota, o conjunto de empresas disse que o veículo foi retirado de circulação para manutenção e que os ônibus devem ganhar câmeras e que em ‘um futuro breve’ vão poder realizar a apuração das reclamações com base nas imagens dos coletivos. “A política da empresa é de prestar o melhor serviço e que para isso presta treinamentos com os colaboradores”.

LEIA NA ÍNTEGRA A NOTA DO CONSÓRCIO FÊNIX

O Consórcio Fênix lamenta o episódio, pede desculpas à usuária e informa que o veículo foi retirado de circulação para os reparos necessários e assim que o serviço for concluído retornará para a prestação do serviço. A respeito do tratamento dado à passageira, o Consórcio acrescenta que estás em processo de instalação de câmeras; que em um futuro breve poderemos realizar a apuração das reclamações através das imagens e reafirma que a política da empresa é de prestar o melhor serviço e que para isso presta treinamentos com os colaboradores. Por fim, reforçamos que estão à disposição dois canais de atendimento: o telefone (48) 3025-6868 e o e-mail [email protected] para o registro de reclamações, sugestões e críticas.