REPORTAGEM EXCLUSIVA

Upa Norte vive ‘crise estrutural’ com falta de materiais básicos

Denúncia realizada pelos servidores sobre o desabastecimento de materiais e problemas em equipamentos foi confirmada pela Prefeitura de Florianópolis

COMPARTILHE ›

O Sindicato dos Servidores Municipais de Florianópolis denunciou uma crise estrutural na Unidade de Pronto Atendimento do Norte da Ilha durante uma manifestação em frente ao local, o que foi confirmado pela Prefeitura de Florianópolis. A Upa registrou milhares de atendimentos este ano, principalmente durante o reveillon, quando faltou álcool gel para a limpeza. Segundo Aline Homem, diretora de departamento de servidores civis do sindicato, problemas em equipamentos provocam dificuldades no atendimento.

Segundo Aline, o Raio X da unidade está quebrado há seis meses, os atendimentos odontológicos não estão ocorrendo por problemas no compressor, não tem material para sutura, não tem pediatra para escalas de atendimento, faltam remédios para problemas cardíacos e antibióticos, além dos banheiros que estão sem manutenção. “Os servidores convivem com banheiros entupidos e sem manutenção e no ano novo faltou álcool gel para a limpeza das mãos”, comentou.

Em contato com a secretaria municipal de saúde, praticamente todos os problemas foram confirmados. Em nota, a prefeitura informou que o equipamento de Raio X teve uma série de problemas com fornecimento e troca de peças, além da dificuldade na análise radiométrica que libera o aparelho para ser usado em segurança (apenas uma empresa no Estado faz esse serviço). A expectativa é de que ele volte a funcionar na próxima semana. Sobre a falta de remédios, o medicamento para problemas cardíacos que está faltando tem problemas de fornecimento em todo o país, mas há na rede um substituto e sobre os antibióticos alguns estão com problemas de fornecimento em todo o País e outros estão em processo de licitação, mas todos têm como ser substituídos nas farmácias de referência da rede.

Outro problema denunciado pelo sindicato e confirmado pela prefeitura é a falta de materiais para sutura. A saúde justifica que neste ano a UPA Norte teve um quantitativo de turistas maior do que a média histórica, o que levou ao desabastecimento de alguns materiais que aguardavam processo de licitação. Eles devem ser repostos a partir da próxima semana no almoxarifado.

Sobre o problema no compressor que impede atendimento odontológico, foi justificado que o compressor da UPA é novo e a tubulação da sala está sendo readequada para recebimento do novo equipamento, mas não deu previsão de quando será normalizado o atendimento. O município comentou ainda que um dos pediatras está de licença médica e a substituição está sendo providenciada pelo processo seletivo que encerrou-se na semana passada. Dois pediatras serão chamados para a UPA Sul e um para o Norte.

Quanto a falta de álcool gel, o fornecimento já foi resolvido e os banheiros sem manutenção tem equipes que são acionadas para a limpeza. A prefeitura acrescentou ainda que a Upa Norte deverá passar por reforma ainda neste ano, assim que for entregue a obra da UPA Sul.