Silvio Souza: “CONFIANÇA OU POESIA?”

contato@jornalconexao.com.br

COMPARTILHE ›

colunista-silvio-banner

Hoje resolvi escrever sobre a relação de confiança e o momento poético das pessoas.

Desde a antiguidade o tema é discutido.  Veja como:nada mais apropriado para ilustrar o que estou falando do que mostrar a vocês sobre os curiosos registros da origem do “brindar“, o velho e conhecido “TIM..TIM “. Lá, muito lá, na antiguidade, o envenamento era utilizado comumente para atacar alguém, atingir um inimigo.

O vinho era a bebida mais consumida na época. As bebidas eram adulteradas e pronto…o carinha “tava “morto.

Com isto surgiu o nosso querido brinde, onde os anfitriões chocavam, batiam fortemente suas canecas com a de seus convidados, fazendo com que os líquidos se misturassem, passando de uma caneca para o outra. Assim se o liquido estivesse envenenado os dois morreriam.

Então, brindar era uma relação de CONFIANÇA.  Se eu brindo contigo é por que tua bebida não esta envenenada. Pensavam assim. Acho.

O outro registro da origem do “TIM… TIM “, diz que na mitologia romana, o Deus BACO, o Deus do Vinho, queria que o ato de degustar um vinho tivesse uma experiência sensorial completa.

A grande sacada, dizia BACO, era aguçar os 5 sentidos. Visão, olfato, paladar, tato e audição, quando degustando um vinho.

E até então somente 4 sentidos eram aguçados. Com a visão tudo ia bem. As mais diversas tonalidades do vinho permitiam isto.

Com o olfato tudo ia bem. O saboroso cheiro do vinho ajudava.

Com o paladar tudo ia bem. Os mais diversos sabores de vinho faziam a festa.

Com o tato tudo ia bem. Bastava encostar na boca. Faltava 1 sentido.

E a audição?  Bem, para ela que inventaram o TIM TIM. A partir daí todos os sentidos foram aguçados.

Não sei qual das 2 vertentes será a sua preferida. Sinceramente, a mim pouco importa desde que eu tenha uma boa taça de vinho na mão e brinde com alguém que confie.

Desejo que você ao fazer o próximo brinde com alguém, olhe a pessoa nos olhos e diga: em você eu confio.

Ou fique em silencio somente saboreando o barulho do “TIM…TIM.

Até breve  e…. TIM TIM  a você.