ALERTA NA SEGURANÇA

Redes sociais foram protagonistas do medo na noite desta quinta-feira (31)

Diversas mensagem foram espalhadas, até a de que existia um toque de recolher em Florianópolis

COMPARTILHE ›

redes-sociais-protagonistas-medoAs redes sociais foram as protagonistas do medo na noite desta quinta-feira (31), após pessoas publicarem dezenas de alertas sobre ataques que poderiam ocorrer. O policiamento estava reforçado em vários pontos do Norte da Ilha, incluindo barreiras policiais na SC-401, junto ao Comando Rodoviário da Polícia Militar em Santo Antônio de Lisboa e outra flagrada pelo Conexão na Estrada Dom João Becker, caminho da Praia do Santinho. Diversas mensagens foram espalhadas, até a de que existia um toque de recolher.

LEIA MAIS:
– Noite de tensão e policiamento reforçado termina com ataque a base da PM na SC-401redes-sociais-protagonistas-medo-4-batalhao
Por grupos de WhatsApp circularam mensagens que supostamente saíram da Polícia Militar, alertando para um salve geral, ordenado por bandidos nas penitenciárias contra prédios e agentes da segurança pública. Porém, nenhuma das mensagem teve veracidade confirmada pela Segurança Pública que ainda não se pronunciou sobre os ataques da noite.redes-sociais-protagonistas-medo-ufscUm print tirado no Facebook, alertava que no período da noite, o motorista de um ônibus orientou passageiros da linha 221 Ticen/Tican via Mauro Ramos de como deveriam proceder para abrir as janelas de emergência em caso de emergência. Ela foi postada em um grupo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).redes-sociais-protagonistas-medo-toque-recolherEm outra que foi repassada pelo WhatsApp, dizia que existia um toque de recolher e que a polícia estaria orientando as pessoas a ficar em casa, evitando uma exposição neste momento de alerta máximo na segurança pública. A mesma mensagem diz que essa operação especial vai durar um mês.

Nenhuma das mensagens ainda foi confirmada ou comentada pela Polícia Militar ou pelo Governo de Santa Catarina. Até às 10h30, nenhuma autoridade do estado ainda havia se pronunciado sobre os ataques ocorridos na madrugada desta sexta-feira (01) em Florianópolis e outras cidades do Estado.