EDUCAÇÃO

Prefeitura investiga suposto caso de agressão de professora contra aluna no Norte da Ilha

Pais registraram boletim de ocorrência na Polícia Civil relatando violência física e intimidação

COMPARTILHE ›
Professores para reforço não são chamados e secretário manda cobrar nas escolas
Foto: Luzia Vidal / Jornal Conexão Comunidade

A secretaria municipal de Educação iniciou a investigação de um suposto caso de agressão de uma professora contra uma aluna na Escola Municipal Maria Tomázia Coelho na Praia do Santinho em Florianópolis. No boletim de ocorrência registrado na 8ª Delegacia de Polícia Civil dos Ingleses, constam agressões verbais e físicas contra uma criança da terceiro ano do ensino fundamental. Os nomes dos envolvidos não serão divulgados, já que o caso está em investigação.

O relato no boletim de ocorrência, feito pela mãe, aponta que a professora realizou insultos contra a aluna, além de agressões em diferentes dias, sendo uma delas com uma cadeira que foi jogada no pé da aluna e a outra com um soco no peito. A mãe também afirmou no B.O. que a filha foi ameaçada dizendo que não poderia contar nada sobre o ocorrido.

A diretora da escola, Marli Magda Müller, afirmou que a professora está afastada e que realizou todos os procedimentos. “Encaminhei tudo o que apuramos por aqui para a secretaria de Educação que vai investigar o que aconteceu”, afirmou.boletim-ocorrencia-editadoAs agressões teriam ocorrido neste mês de Agosto. O secretário de Educação de Florianópolis, Maurício Fernandes, disse que tudo será investigado e que, se confirmado, a professora poderá sofrer procedimentos internos dentro da secretaria.

“A diretora tomou todas as providências e encaminhou à secretaria. A professora em questão é ACT do nosso quadro e ela alega que não aconteceram os fatos. Ela alega que está nervosa e o médico deu 30 dias de atestado e não está mais em sala de aula. Temos um departamento dentro da secretaria e vamos fazer todo o estudo para saber o que aconteceu. Nessa hora precisamos de tranquilidade para não tomar partido. (…) Quero registrar aqui que nenhuma forma de agressão justifica em nenhuma das partes, tando aluno professor, quanto professor aluno”, disse.

Como a investigação está em andamento, a família será chamada para ser ouvida. O secretario disse que se necessário, a criança poderá sofrer um acompanhamento psicológico.