ATENTADOS

Polícia prende cinco suspeitos dos atentados contra delegacias do Norte da Ilha

Prisões ocorreram menos de 24 horas após os prédios da segurança pública serem atacados

COMPARTILHE ›
Delegacias do Norte da Ilha são alvo de atentados durante a madrugada
Foto: Jornal Conexão Comunidade

A Divisão de Repressão ao Crime Organizado (Draco) da Deic prendeu cinco pessoas suspeitas de terem ligação com os atentados contra a 7ª Delegacia de Polícia de Canasvieiras e contra a 8ª DP dos Ingleses na madrugada desta quinta-feira (09). As prisões ocorreram menos de 24 horas após os prédios da segurança pública serem atacados.

LEIA MAIS:
– Delegacia de Canasvieiras é alvo de atentado a tiros no Norte da Ilha
– Atentado na Delegacia de Ingleses termina com 37 tiros disparados

São quatro homens de 33, 19, 24 e 19 anos, e uma mulher que estavam escondidos, segundo a polícia, em uma casa na Vargem do Bom Jesus. Três homens tentaram fugir de carro, mas acabaram batendo contra uma viatura da polícia.

Os ataques ocorreram com menos de uma hora e meia de diferença e com características similares: homens de moto atirando contra as delegacias. O primeiro ataque ocorreu às 23h45 de quarta-feira (08) na Praia de Canasvieiras e o segundo por volta de 1h10 de quinta-feira (09) em Ingleses.

A polícia investiga a relação deles com a mensagem endereçada à segurança pública pedindo a transferência de presos ligados a uma facção criminosa que atua dentro e fora das penitenciárias. A mensagem solicitaria que presos fossem encaminhados para a penitenciária da Canhanduba em Itajaí.

Em nota, o Governo do Estado de Santa Catarina disse que não reconhece nenhuma reivindicação deixada de forma anônima em delegacias de Polícia ou outros órgãos públicos. Destaca ainda que não vai atender nenhum dos pedidos pretendidos por criminosos e assegura que está com toda a sua estrutura de segurança pública e do sistema prisional em alerta máximo.

O governador Raimundo Colombo afirma que não há nenhum tipo de negociação quando se trata do cumprimento e da manutenção da lei e da ordem.