GREVE DOS SERVIDORES

Penalidades sobre o sindicato não impedem negociação, diz Gean Loureiro

Greve afeta o atendimento nas escolas de Florianópolis, nos postos de saúde e Unidades de Pronto Atendimento

COMPARTILHE ›
Energia é desligada em parte da maior escola municipal por risco de curto-circuito
Foto: Emanuel Soares / Jornal Conexão Comiunidade

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, defendeu que se um cidadão comum que descumpre uma ordem Judicial seria preso, com o sindicato dos trabalhadores do serviço público que afronta a Justiça não acontece o mesmo. Gean diz que mesmo com as penalidades impostas ao sindicato desde que a greve dos trabalhadores foi declarada ilegal, isso não impede a negociação com os grevistas. A greve afeta o atendimento nas escolas de Florianópolis, nos postos de saúde e Unidades de Pronto Atendimento.

“Isso não impede um contato de negociação. Uma negociação que não seja apenas o abono da falta dos grevistas, que não seja revogar tudo o que foi definido pela câmara. O Nosso papel é um papel de diálogo que defina diretrizes de valorização do servidor”, disse o mandante da cidade.

A prefeitura estuda com uma comissão, que também envolve servidores, um novo plano de cargos e salários dentro do serviço público municipal.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SC) chamou a prefeitura para uma primeira reunião de conciliação com o sindicato dos trabalhadores municipais de Florianópolis (Sintrasem) nesta sexta-feira, 10 de fevereiro. O encontro está marcado para contecer na sede da entidade, na Beira-Mar Norte.