11º DIA DE GREVE

Para pôr fim à greve, prefeito mandar arquivar projeto previdenciário

Projeto de lei era o último obstáculo a que os servidores voltassem ao trabalho

COMPARTILHE ›
Foto: PMF / Divulgação
Foto: PMF / Divulgação

O prefeito Cesar Souza Júnior determinou o arquivamento do PLC 1560/16, que estava em vias de ser votado na Câmara, e derrubou com isso o último obstáculo que impedia a volta dos servidores municipais ao trabalho. As demais demandas sindicais já haviam sido atendidas e, assim, os funcionários devem encerrar a paralisação imediatamente. Os dias parados deverão ser repostos, caso contrário cada servidor, em particular, terá o ponto cortado.

O ato administrativo que pede o arquivamento do projeto foi entregue ao presidente da Câmara, Erádio Gonçalves, pelo secretário de Fazenda, Planejamento e Orçamento, André Bazzo, já que o prefeito está em Brasília. Segundo ele, o prefeito achou ‘prudente’ arquivar o projeto, já que a greve estava comprometendo os serviços públicos e havia ‘intransigência’ do sindicato.

André Bazzo disse continuar considerando bom o projeto, que pretendia equilibrar e dar sustentabilidade às contas dos fundos previdenciários, mas que, em benefício da população, o prefeito achou melhor contribuir para o fim da greve. “Foi para administrar a cidade e evitar problemas de gestão que Cesar Souza Junior desistiu de concorrer à reeleição”, lembrou Bazzo.

A próxima reunião da Câmara só acontece em 5 de setembro, mas Erádio informou que basta um ato da Presidência para determinar o arquivamento do PLC, não sendo necessário o endosso do plenário.

Com o projeto retirado de pauta, o secretário de Fazenda, Planejamento e Orçamento disse que o Município vai continuar com a porta aberta aos sindicalistas para estudar opções de como sanar as contas da Previdência.