VERÃO 2018

“Não falta mais água em Santa Catarina”, diz presidente da Casan

COMPARTILHE ›

Moradores do Norte da Ilha não gostam de recordar o passado, em relação ao serviço da Casan. Por muitas temporadas, as torneiras estiveram secas. A água desaparecia quando a movimentação turística começava. Nas duas últimas temporadas o cenário mudou. A companhia planejou e mudou algo que era rotina anual por aqui. Para a temporada 2018, os planejamentos já iniciaram.

“Hoje já podemos afirmar que não falta mais água em Santa Catarina”, disse o diretor-presidente Valter José Gallina após checar todos os dados apresentados pelos técnicos.

Com base nos dados coletados até o momento, nos investimentos e nas obras em execução, a expectativa é transformar a Operação Verão 2018 na temporada que marcará definitivamente a estabilidade do abastecimento de água do Estado. “Se falta água em alguma rua, bairro ou cidade, é porque um acidente ocorreu, como rompimento ou vazamento de rede, e, nesses casos, estamos cada vez mais ágeis para consertar.”

Na temporada passada, a marca recorde de 220 milhões de litros/dia de água tratada foi ultrapassada quase todos os dias na Grande Florianópolis. Este ano, se necessário, será possível até superar estes números, pois a oferta será maior. No dia 15 de janeiro, a Companhia disponibilizou 186 milhões de litros apenas para consumo de Florianópolis, indicando que naquele dia havia aproximadamente 1,2 milhão de pessoas na Capital, cuja população fixa é de 470 mil. Foi o maior volume de água consumido até hoje em Santa Catarina no período de um só dia.obras-reservatorio-casan-norte-ilhaDiferentemente de 2015, quando houve a necessidade de 38 ações, e do ano passado, quando a CASAN produziu cerca de 30 obras e melhorias, a Operação Verão 2018 está restrita a 16 pontos e obras. Além das adutoras de 800 e 1.200 mm, o planejamento prevê até dezembro melhorias nas redes e Estações de Tratamento dos Ingleses (a região que mais recebe turistas), Vargem Pequena, Rio Tavares, Lagoa e Barra da Lagoa, novos conjuntos moto-bomba para os sistemas Costa Norte e Costa Leste, limpeza geral de poços e adutoras e revisão completa das instalações elétricas. Estes procedimentos ocorrem no Litoral e nas demais regiões que recebem visitantes.

Como tem feito preventivamente nos últimos anos, a CASAN também vai locar geradores para enfrentar as quedas de energia em suas unidades e uma frota de caminhões-pipa como medida de segurança. “Todo nosso esforço é para evitar o uso desses caminhões”, disse o engenheiro Gallina ao final da reunião.