REPORTAGEM EXCLUSIVA

Juíza prorroga inquérito de estelionato por precariedade da situação da Polícia Civil

Processo envolve a venda de apartamentos para mais de um comprador nos condomínios Zarah I, Zarah II e Residencial Marítina

COMPARTILHE ›
Vítimas de golpe compraram apartamento na planta em terreno de posse
Foto: Jornal Conexão Comunidade

A Justiça determinou mais 90 dias para o término do inquérito policial que investiga a venda de imóveis para mais de um comprador na Praia dos Ingleses, por solicitação da própria polícia. No despacho, a juíza Erica Lourenço de Lima Ferreira, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, argumenta a complexidade do caso e a ‘precariedade da situação da Polícia Civil’. O processo envolve imóveis nos condomínios Zarah I, Zarah II e Residencial Marítina.

LEIA MAIS:
– Golpe deixa dezenas de pessoas lesadas na venda de apartamentos em Ingleses
– Vítimas de golpe compraram apartamento na planta em terreno de posse
– Polícia pede prisão de construtor suspeito de estelionato na venda de imóveis

Na mesma decisão, a magistrada derruba o ‘segredo de Justiça’ em que o caso era tratado. O construtor suspeito e que teve a prisão decretada, continua foragido. Os advogados de defesa, já pediram o relaxamento de prisão, mas ainda não foi analisado pela juíza.

Juíza prorroga inquérito de estelionato por precariedade da situação da Polícia Civil
Foto: Exclusivo / Jornal Conexão Comunidade

O advogado Rodrigo Zambarda, que representa mais de 20 vítimas, explicou que a prorrogação é comum em casos complexos com grande número de vítimas. “É comum isso, quando temos um grande número de envolvidos. A polícia ainda não conseguiu ouvir todas as vítimas, por muitas não serem do Estado ou do País. O pedido de prorrogação partiu da polícia, por causa das dificuldades operacionais que eles tem”, disse.

LEMBRE O CASO

O inquérito apurado pelo delegado Nivaldo Claudino Rodrigues tem mais de mil páginas. O delegado pediu a prisão do construtor suspeito com base nos crimes de estelionato e formação de quadrilha devido a venda de apartamentos, ainda em construção, para mais de um comprador nos condomínios Zarah I, Zarah II e Residencial Marítina, ambos na Praia dos Ingleses. As vítimas, na maioria, compraram o imóvel diretamente com o construtor. Deram carros e uma quantia em dinheiro. Alguns deles conseguiram recuperar os veículos, porém o dinheiro pago no negócio ainda foi reembolsado.