INVESTIGAÇÃO

Golpe deixa dezenas de pessoas lesadas na venda de apartamentos em Ingleses

Vítimas são pessoas que tinham o sonho de comprar a casa própria e imobiliárias que comercializaram os imóveis nos condomínios Zarah I, Zarah II e Residencial Marítima

COMPARTILHE ›
Pessoas são lesadas na venda de apartamentos em condomínios nos Ingleses
Foto: Jornal Conexão Comunidade

O sonho de ter a casa própria terminou em decepção para moradores da Praia dos Ingleses lesados em um golpe. Apartamentos em um prédio foram vendidos muitas vezes. Um dos imóveis tem mais de nove proprietários sendo que, alguns deles, investiram mais de R$ 100 mil, um dinheiro que desapareceu. O golpe da venda para mais de um dono vitimou pessoas comuns e imobiliárias da região quanto a venda de imóveis nos condomínios Zarah I, Zarah II e Residencial Marítima.

Rodrigo da Gama Silveira, 40 anos, é uma das vítimas. Ele trabalha em uma loja de materiais de construção na Praia dos Ingleses, onde o construtor comprava tudo para a obra do condomínio Zarah II. Rodrigo foi a primeira vítima a notar os problemas no prédio, já que não estavam comprando mais nada para a obra.

“Eu acompanhava todo o material. Ele vinha toda a semana comprar material para a obra. (…) Comecei a estranhar já que a entrega da obra era em dezembro. Eu falei com ele – construtor – pessoalmente aqui dentro da loja e me disse que até o início de janeiro ia colocar 10 equipes para terminar a obra. Em Janeiro acompanhei o histórico de venda aqui na loja e não saía nada. (…) Procurei o corretor e ele me disse que o meu apartamento tinha mais de um dono”, disse.

Um dos imóveis, que fica na região da João Gualberto, tem mais de nove donos, segundo a vítima. Só no Zarah II, são 17 apartamentos e 50 proprietários. Os construtores, que não tiveram o nome confirmado pela polícia, estão desaparecidos. As obras foram embargadas pela Prefeitura de Florianópolis.

“Já consegui recuperar um carro que eu entreguei para o negócio. O outro entrei com uma ação de busca e apreensão e os R$ 44 mil que dei em dinheiro, nunca mais”, acredita Rodrigo.

As vítimas vão ingressar com uma ação Judicial coletiva para resgatar o investimento financeiro, além de ações individuais para recuperar os automóveis colocados no negócio. O Ministério Público já rastreou bens do construtor desaparecido, da esposa dele e de um sócio, irmão da esposa.