Editorial: Fiscalização, bafômetro e multas

[email protected]

COMPARTILHE ›

Os acidentes durante a madrugada e a manhã de domingo no Norte da Ilha ocorrem por causa da imprudência de motoristas que, em parte, saem das baladas para casa dirigindo sob efeito de álcool. E isso ocorre todos os domingos, quando as festas noturnas pautam a vida social daqueles que ‘curtem’ esses eventos. A madrugada deste domingo (13) foi mais uma vez cercada de acidentes, mortes e falta de fiscalização.

Se o comportamento daqueles que frequentam esses eventos não mudar, o Estado precisará mudar o comportamento da Polícia Militar Rodoviária. O efetivo terá que ser reforçado com fiscalizações nas rodovias que servem caminho após as festas. Isso, com certeza, aumentará o volume de multas, arrecadando mais ao Estado que passa por uma crise sem precedentes.

A fiscalização com a apreensão de veículos e aplicação de multas seria a saída mais rápida para mudar o comportamento daqueles que não aprendem a ter consciência através de informações. Precisa doer no bolso para que pensem melhor na forma de agir ao frequentar casas noturnas, beber e dirigir.

Por outro lado, os complexos de entretenimento precisam trabalhar esse tema de alguma forma, incentivando que os frequentadores não usem carros para ir as festas. Se hoje o bafômetro for colocado pela polícia na porta das baladas, vai faltar guincho em Florianópolis para levar veículos apreendidos.

Se a violência no trânsito não for tratada pelas autoridades como problema de saúde pública, um dia será normal acordar num domingo com notícias sobre mortos e feridos na SC-401.

Esta é a opinião do Jornal Conexão Comunidade.