Cristiano Vieira: “Se 2016 não foi um bom ano, acredite ele ainda pode ser a melhor oportunidade !

[email protected]

COMPARTILHE ›

cristiano-banner-colunista-site-topoComo dizer que um ano que se finda ainda pode ser considerado “oportunidade”?   Sendo este um ano bastante complicado, crise política, econômica, impeachment, mercados que mantinham tendência de alta nos últimos anos estagnados ou em baixa… E não estou falando da velha máxima, na Crise, Crie, isto quem tinha de fazer já o fez.

Estou falando deste momento, início de um novo ano, transformar o velho em oportunidade. Começamos pelo fato de que estamos aqui, independentemente de como nos sentimos, se bem ou mal, se vitoriosos ou sobreviventes…estamos aqui e viramos o ano! E daí começa a oportunidade, assimilar as lições que um ano atípico nos deixa.

Nas derrotas pontuais devemos identificar aonde erramos, não qualificar os culpados, porque por mais que os motivos da derrota sejam agentes externos, nós permitimos suas ações e não estávamos preparados para reagir. Parece duro, mas vamos refletir em porque alguns sobreviveram a crise, será que são melhores do que aqueles que sucumbiram, pode ser, mas talvez o que os tornou melhores foi simplesmente o preparo. Capacitação, treinamento, estudo,  pesquisa e dedicação são temas recorrentes e para alguns até cansativo, mas é preparo. Lembre que sempre haverá alguém melhor do que nós o que não pode é haver muitos melhores do que nós.

Derrotas são pontuais, fracasso irreversível e só fracassa aquele que para.

O ano de 2016 foi o melhor treinamento que qualquer um de nós possa ter recebido, agora cabe a nós o que faremos com este riquíssimo material para tornar 2017 um grande ano.

Em todos os sentidos de nossa vida acredito que estamos em constante evolução, sendo preparados em nossas derrotas para saber lidar com algo muito valioso que vem pela frente, vamos aguçando nossa sensibilidade para reconhecer e valorizar o que recebemos, sejam oportunidades… sejam pessoas.

Que em 2017 possamos ousar, que as maiores crises sejam interiores e que se confrontam com nossos medos, mas que não nos impeçam de fazer… de sonhar… Que em 2017 peçamos mais desculpas do que licença, isso é realizar. Que nossas preocupações sejam de concluir o que iniciamos… Que em 2017, se tivermos certeza, digamos o que sentimos, ou guardamos se tivermos dúvida…

Que em 2017 fiquemos surdos perante os pessimistas e atento aos oportunistas… Que 2017 possamos ser mais gratos do que pedintes… Que 2017 sejamos corajosos para viver e preguiçosos para se lamentar e se não pudermos ser o autor de nossa própria sorte lembre-se que somos o ator principal…

E a 2016,  o meu muito obrigado!