CANASVIEIRAS

Casan terá que explicar extravasamento de esgoto no Rio do Bráz

Companhia foi notificada pela Fatma e pela Aresc para prestar as informações necessárias sobre as falhas em seus equipamentos

COMPARTILHE ›

A Casan foi notificada pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma) e pala Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina (Aresc) para dar explicações sobre o vazamento de esgoto no Rio do Bráz em Canasvieiras. O vazamento ocorreu no dia 31 de dezembro quando faltou energia elétrica e o gerador usado como segurança não se acionou. Peças foram furtadas da planta elétrica, o que fez com que o efluente fosse parar no Rio do Bráz. A informação foi confirmada na quinta-feira (07) pelo colunista Emanuel Soares que apresentou o boletim de ocorrência do furto.

Além de extravasar no rio, o esgoto estoura na Rua Antenor Borges, beira mar de Canasvieiras, como mostrou flagrante do Jornal Conexão Comunidade também na semana passada. O prazo dado pela Aresc é de 15 dias, ou seja, até 21 de janeiro e a Fatma deu prazo de 10 dias, a contar de 6 de janeiro.

A Casan anunciou ontem que vai implementar duas ações para ‘tentar’ amenizar o quadro de poluição no Norte da Ilha. Uma delas é subsidiar a limpeza do canal que liga o Rio do Brás ao Papaquara, que será realizada pela Prefeitura. E a outra é a implantação de um emissário para conduzir parte da vazão excessiva das ligações irregulares até a estação de tratamento. O prazo para a instalação do emissário ainda não foi divulgado.