VARIEDADES

Campanha Papai Noel dos Correios segue até 30 de novembro

Toda a sociedade pode participar atuando como padrinho – aquele que adota as cartinhas, providenciando os presentes solicitados pelas crianças

COMPARTILHE ›

O período de adoção das cartinhas da campanha Noel dos Correios 2016 segue até 30 de novembro. Em parceria com 160 instituições de ensino público do Estado, a 27ª edição da ação social dos Correios atende este ano 14.759 crianças de 48 municípios catarinenses. Toda a sociedade pode participar atuando como padrinho – aquele que adota as cartinhas, providenciando os presentes solicitados pelas crianças.

Em Florianópolis, os pontos de adoção das cartas são as agências de Correios Central Praça XV, Capoeiras, Cidade Universitária, Ingleses e Lagoa. Em São José, as cartas estão disponíveis no Centro Operacional e Administrativo dos Correios em SC, no bairro Floresta. Há ainda pontos de adoção nos demais municípios participantes da campanha.

A campanha tem como principal objetivo responder às cartas das crianças que escrevem ao Papai Noel e, sempre que possível, atender aos pedidos de presentes daquelas que se encontram em situação de vulnerabilidade social. Outro objetivo é trabalhar ações como desenvolver a habilidade da redação de carta, endereçar e usar corretamente o CEP. Nos últimos três anos, em todo o País, foram recebidos mais de 2,8 milhões de cartas destinadas ao Papai Noel dos Correios. Desse total, 1,9 milhão atendiam aos critérios da campanha e mais de 80% foram adotadas, o que equivale a 1,5 milhão de cartas.

Desde 2010, os Correios estabeleceram parcerias com escolas públicas, creches, abrigos, orfanatos e núcleos socioeducativos. As escolas cadastradas, indicadas pelas Secretarias de Educação dos municípios e do Estado, coletaram as cartas escritas por alunos matriculados da creche ao 5º ano do Ensino Fundamental e encaminharam o material aos Correios. Os Correios não entregam cartas para adoção diretamente à população, em suas residências. A adoção de cartas da campanha é feita da mesma maneira em todo o Brasil: as cartas enviadas pelas crianças são lidas e selecionadas. Em seguida, são disponibilizadas aos padrinhos nas agências ponto de adoção de cada município participante.