SUSPEITOS DE CORRUPÇÃO...

Vereadores indiciados pela operação Ave de Rapina tentam a reeleição

Empresários de mídia externa teriam pago propina para que vereadores modificassem itens do projeto 'Cidade Limpa'

COMPARTILHE ›

Todos os vereadores indiciados pelo Ministério Público após a investigação que culminou com a Operação Ave de Rapina tentam a reeleição neste ano. Na lista também constam nomes de 17 empresários do setor de comunicação externa que, segundo a investigação, pagaram propina para que fosse feita uma alteração no projeto de lei ‘Cidade Limpa’, que regularia a publicidade por meio de placas, outdoors e luminosos. Um dos vereadores da capital, teve o nome envolvido na operação pela RBS TV de forma equivocada.

Os vereadores indiciados são Marcelo da Intendência (PP), Dalmo Menezes (PSD), Edinon Manoel da Rosa – Dinho (PMDB), Marcos Espíndola – Badeko (PHS), Célio João (PMDB), Edmilson Pereira – Ed (PSB), Deglaber Goulart ( PSD), Roberto Katumi Oda (PSD), Ricardo Camargo Vieira (PMDB), Waldyvio da Costa Paixão Junior – coronel Paixão (PDT). Os nomes foram divulgados apenas na noite de sábado (10) por um jornal. Mesmo com o indiciamento, o processo ainda corre na Justiça onde serão apresentadas provas, o que pode inocentar alguns parlamentares. O indiciamento não significa uma condenação.

O Jornal Conexão Comunidade tentou contato com os vereadores que representam o Norte da Ilha para uma posição nesta manhã de segunda-feira (12), porém nenhum deles foi localizado. Muitos devem se manifestar ao longo do dia, após os respectivos advogados tomarem conhecimento do teor da denúncia do MPSC.

Ainda durante o sábado, o telejornal RBS Notícias citou o nome do vereador Edinho Lemos (PSDB) entre os que estavam indiciados pela operação. O vereador explicou que foi um equívoco da emissora. “Logo em seguida, a direção da RBS entrou em contato comigo, através do diretor Eurico Meira, para fazer um pedido de desculpas explicando que houve uma confusão entre meu nome e o do vereador Edinon. Meu nome nunca sequer, foi citado na operação Ave de Rapina. (…) Hoje o RBS Notícias vai fazer uma retratação com um pedido de desculpas. Já no G1 Santa Catarina, entrará uma nota explicando que meu nome não tem relação com a operação Ave de Rapina”, explicou o vereador.