Silvio Souza: “Há quanto tempo você não faz abreugrafia?”

contato@jornalconexao.com.br

COMPARTILHE ›

colunista-silvio-bannerOutro dia me assustei, alias fiquei super assustado:
Entenda o caso:
Meu filho reclamou de dor nas costas. E eu, instantaneamente disse: Faça uma abreugrafia.
Foi uma risada só. Que isto pai? Abreugrafia.
A partir daí, foi uma lista infindável de situações em que só me fez pensar o quanto já vivi ou a velocidade em que a vida passa.

Então vamos lá.

Poucos irão lembrar, mas abreugrafia, fazia parte dos documentos a serem apresentados quando de um novo emprego. Para quem ainda não sabe, abreugrafia era uma “chapa” dos pulmões.
Lá em Porto Alegre, lembro de uma Kombi, estacionada em uma grande avenida, com enorme placa que dizia: “Fazemos abreugrafia na hora”.

Outro documento que normalmente apresentávamos ou pelo menos anexávamos ao nosso currículo era o diploma de conclusão do “curso de datilografia”. Ah! sem falar que nos testes, muitas vezes eliminatórios, existia um número mínimo de toques. Nunca passei. Até hoje culpo o meu dedo “mindinho” que não tinha força para digitar as teclas que estavam sob sua responsabilidade.

A quatro anos atrás resolvi fazer uma pós graduação. E lá tive minha idade denunciada por duas vezes. A primeira foi quando estava perguntando a um colega que horas era o recreio. A outra dizendo que ia a cantina comprar uns “drops”. Ele deve ter ido pesquisar no Google que bicho era aquilo.

Semana passada relembrei com minha esposa a nossa primeira televisão, com controle remoto. Até aí, tudo normal, mas quando relembramos que o nosso controle era com fio, causa espanto. Era isto mesmo. Os primeiros controles tinham a opção de serem com fio. Era bem mais barato do que os sem fio. E você escolhia de quantos metros teria o fio. A sacada era mudar de canal sem levantar do sofá ou da cama.

Nunca fui fã de doces. Mas se querem me agradar, façam “arroz de leite” ou “arroz doce”, dependendo da região. Relembro minha mãe e minha sogra. Sempre me agradavam fazendo este doce. Saudades.
E se for algum salgado, me agrade com canudinho de maionese.

Não importa o que pensam, se sou saudosista ou se sou antigo. Nada me incomoda. Sou é super atualizado.

O pensamento nos permite isto. Relembrar, viajar sem se preocupar com a hora (há voos 24 horas), sem filas, ir e voltar sem que ninguém saiba, sem gastar nada, e principalmente te proporcionando momentos felizes.

E saiba, que quanto mais idade você tiver, mais longo será seus voos.
Até breve e faça bons voos.