Silvio Souza: “Antes só do que mal acompanhado. Não é bem assim!”

contato@jornalconexao.com.br

COMPARTILHE ›

colunista-silvio-bannerSempre fui uma pessoa muito sociável, tendo obviamente, como qualquer ser humano, meus “altos e baixos“, mas estou mais para agregador, mediador, do que para um agitador ou desagregador.
Muitas vezes, não sei se inconscientemente ou de “caso pensado “acomodei situações com funcionários que na visão de outros a decisão deveria ser mais drástica.
Não me arrependo de ter sido assim.
Preferi ser mais líder do que chefe. Desejei ser visto assim, apesar de que muitas vezes me viram como um “simples“ chefe.

Tem uma frase atribuída a escritora brasileira Clarice Lispector (origem judia, nascida na Ucrânia) de que gosto muito:
“Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe.”

Não adianta insistir, ninguém sobrevive seja profissionalmente ou não, sem depender de outros. Todo mundo depende de todo mundo.
Você pode não lembrar, mas já foi muito dependente de alguém.
Talvez neste momento esteja passando um tempo se achando o máximo, um verdadeiro super homem, mas em algum momento voltará a ser dependente. Isto chama-se vida.
Se prestarmos a devida atenção perceberemos que nosso estar e viver depende dos outros.

Veja isto:
Uns vivem da morte de outros: As funerárias e os carnívoros.
Uns da doença de outros: As farmácias, os médicos, os hospitais, etc
Uns da queda dos outros: Os fisioterapeutas
Uns da fome dos outros: Os restaurantes, supermercados…
Uns dos acidentes dos outros: As oficinas
Uns dos medos e tristezas dos outros: Os terapeutas
Uns das alegrias dos outros: Os palhaços
Uns dos passes de bola dos outros: Os goleadores
Uns dos erros dos outros: Os goleiros
Uns da proteção dos outros: Os filhos
Uns do carinho dos outros: Os pais
Uns do trabalho dos outros: Os chefes
Uns de seguidores: Os líderes
Uns da fé dos outros: As religiões
Uns dos inadimplente: As recuperadoras de crédito
Uns da ingenuidade dos outros: Os golpistas
Uns da audiência dos outros: As emissoras de TV
Uns dos leitores: Os jornais
Uns do esquecimento dos outros: Os políticos
Uns da crise: Os consultores
Uns do sol: Os sem estimulo
Uns da Lua: Os apaixonados

A sua lista pode ser infindável.
Então, caro leitor, como podemos caminhar sozinhos?
Pena que alguns, ainda insistem nisto.

Eu desejo que você Vá mais longe.

Até breve e boa semana.