PARABÉNS!!!

Rio Vermelho 186 anos: O bairro que nasceu no meio do atlântico

Rio que dá nome ao bairro deságua na Lagoa da Conceição e contribui para o equilíbrio do eco sistema do bairro

COMPARTILHE ›
Foto: Luzia Vidal / Jornal Conexão Comunidade
Foto: Luzia Vidal / Jornal Conexão Comunidade

Antes anexado a Lagoa da Conceição, São João Batista do Rio Vermelho ou São João do Rio Vermelho, como é conhecido hoje, nasceu em 11 de Agosto de 1831 por um decreto que criou o distrito. Seguindo em termos territoriais até a atual Praia dos Ingleses, o Rio Vermelho é ainda considerado o maior bairro de Florianópolis no que trata-se de território. A área total é de 31,68 km², limitando-se com Ingleses ao Norte e a Lagoa ao sul. Muita gente acha que não existe, mas o rio que dá nome ao bairro deságua na Lagoa da Conceição e contribui para o equilíbrio do eco sistema do bairro.

LEIA MAIS:
– Rio Vermelho 186 anos: O bairro que nasceu no meio do atlântico
– Aniversário de Ingleses e Rio Vermelho não é no mesmo dia, diz historiador
– Prefeito busca verbas para retomar obras abandonadas no Rio Vermelho
– Prefeitura diz que está alinhando melhorias em linhas de ônibus do Rio Vermelho

As primeiras pessoas que povoaram a região e que mantém na origem a prática rural, vieram do meio do Oceano Atlântico no conjunto de ilhas dos Açores. Entre os primeiros habitantes da região, entre o Rio Vermelho e a Lagoa, local ao certo desconhecido, estão o capitão Antônio Pereira Cardoso e Catarina Pereira que se mudaram para cá em 1748. Ele pertencia a companhia de Ordenanças, espécie de 3ª linha do Exército português e fazia o alistamento de pessoas para as tropas armadas. Ao todo, foram 60 casais povoaram essa região onde já existiam escravos e índios.

Segundo dados históricos, os primeiros casais que povoaram o Rio Vermelho e tiveram seus filhos na Ilha de Santa Catarina vieram da ilha de São Jorge nos Açores. Alguns registros dizem que os açorianos foram instalados na Lagoa da Conceição, mas o Rio Vermelho foi desmembrado da Lagoa tempos depois, o que causa confusão na cabeça de algumas pessoas.

“O distrito não existia. Com a chegada dos açorianos em 1748, é se cria o Rio Vermelho, Canasvieiras, pessoas que aos poucos habitavam essa região. Um grupo de 60 casais organizou e criou essa comunidade que recebeu o nome de São João Batista do Rio Vermelho. Foi entre 1748 e 1749. O nascimento da população de todo o Norte da Ilha começou aí”, disse o professor e historiador Nereu do Vale Pereira.

SÃO JORGE – AÇORES
A troca de ilhas se deu pelas dificuldades enfrentadas pela população. Os Açores tinha uma constante ação vulcânica, o que propicia terremotos, solos com resquícios de basalto (rocha de origem vulcânica que empobrece a terra e não permite que sejam plantados alimentos), falta de estrutura e precário desenvolvimento econômico. Pelas imagens, hoje é possível ver que a ilha de onde saíram, segundo Nereu do Vale Pereira, os primeiros habitantes do Rio Vermelho está mais desenvolvida.

A mudança para Florianópolis se deu por iniciativa de Portugal que resolveu estimular o desenvolvimento da região sul brasileira. Foram feitas promessas de ajuda aos açorianos para sua instalação, entre elas, que receberiam ferramentas, armas, dinheiro, farinha, isenção do serviço militar e uma porção de terras. A maioria das promessas não foram cumpridas. Para sobreviverem, se voltaram para as atividades pesqueira (Armação de baleias) e plantação de mandioca, o que manteve engenhos de farinha que são resguardados ainda hoje no bairro.

CURIOSIDADE

Uma das primeiras coisas a ser construída pelos açorianos no Rio Vermelho foi a Igreja de São João Batista (foto acima). Ela é mais antiga que o próprio bairro. Os primeiros habitantes dos Açores chegaram ao local em 1748 e em 1750 ela foi inaugurada. As paredes são grossas, típicas daquela época, e foi usado até óleo de baleia na consolidação da pedras Em 1857, ou seja, 107 anos depois, a igreja foi atingida por um raio e precisou ser totalmente reconstruída por causa dos danos causados por uma tempestade que afetou a estrutura.