URGENTE

Prefeitura decreta emergência nas praias duas vezes em menos de 120 dias

COMPARTILHE ›

Pela segunda vez em menos de 120 dias, a Prefeitura de Florianópolis decretou situação de emergência nas praias por causa dos estragos causados pela ressaca. É a segunda publicação do ano. A primeira foi no final de maio, quando a ressaca causou diversos danos a praia. O segundo foi formalizado nesta tarde, incluindo novamente Ingleses, Canasvieiras, Praia Brava e duas praias do Sul da Ilha.

LEIA MAIS:
– Muros deveriam ser retirados para plantar restinga, diz oceanógrafo
– Acif apresenta estudo para engordamento da faixa de areia em Canasvieiras
– VÍDEO: Conexão mostra ao vivo efeitos da ressaca no Norte da Ilha
– VÍDEO: Maré sobe e ressaca volta a atingir praias do Norte da Ilha
– Faixa de areia desaparece no canto sul de Ingleses por causa da ressaca
– FOTOS: Ressaca causa novamente destruição nas praias do Norte da Ilha

Segundo Luiz Eduardo Machado, diretor da Defesa Civil municipal, a cada novo evento, é necessário um decreto de emergência. “Tendo em vista o volume de danos, a legislação pede para cada novo evento, um novo decreto. Como da outra vez eram menores os danos, fizemos as intervenções. Tivemos que agora fazer um novo decreto e ele vai ser remetido ao governo federal para a solicitação de recursos para preparar a praia para o verão”, disse.

O decreto, publicado no Diário Oficial, solicita recurso financeiro ao Governo Federal e autoriza ações do poder público municipal nas APPs (Área de Preservação Permanente) pertencentes à União, como adentrar nas faixas de areias para fazer as devidas intervenções emergenciais e recuperar os bens públicos que foram atingidos.

De acordo com o balanço da Defesa Civil, ocorreram danos em muros, rampas e escadas de acesso público, bem como em postos salva-vidas e na iluminação pública das praias. O prefeito Gean Loureiro reitera que a solicitação financeira, junto ao Ministério da Integração Nacional, vai viabilizar uma resposta mais ágil à população.

“Nosso objetivo é acelerar todo o processo tanto no levantamento dos danos quanto nas intervenções para preparar os locais, que estão entre os mais frequentados, e receber as pessoas na temporada”, acrescenta.

As intervenções só poderão ser feitas nas orlas, assim que o mar e as condições do tempo forem adequadas.