ELEIÇÕES 2016

Murilo Flores visita o Jornal Conexão Comunidade e faz promessas ao Norte da Ilha

Ele afirmou que vai usar oxigenação molecular, uma nova tecnologia, para limpar áreas contaminadas pelo esgoto

COMPARTILHE ›
Foto: Rovani Ilha
Foto: Rovani Ilha

O candidato Murilo Flores do PSB visitou nesta quarta-feira (14) o Jornal Conexão Comunidade para apresentar as propostas para o Norte da Ilha e responder as perguntas do jornalista Emanuel Soares no programa Conexão Notícias da Rádio Felicidade. Ele afirmou que vai usar oxigenação molecular, uma nova tecnologia, para limpar áreas contaminadas pelo esgoto. É o caso do Rio do Brás.

Foto: Rovani Ilha
Foto: Rovani Ilha

Ele visitou o Jornal Conexão acompanhado de seus assessores e do candidato a vice-refeito Edupércio Pratts. A entrevista foi ao vivo no programa Conexão Notícias da Rádio Felicidade, onde Murilo também respondeu questionamentos de ouvintes. Ele aproveitou para ler a edição impressa do Jornal Conexão onde havia uma matéria que tratava da quantidade de eleitores que a 100ª zona eleitoral, que inclui o Norte da Ilha atingiu. São 100 mil eleitores.

O Jornal Conexão Comunidade está abrindo espaço aos candidatos à prefeitura que procurarem a redação para expor as propostas para a região. O contato pode ser feito pelo 48 3365 8189 ou pelo e-mail emanuelsoares@jornaloconexao.com.br

LEIA A ENTREVISTA COM MURILO

JORNAL CONEXÃO: Candidato, como o senhor vai atacar o problema do esgoto? A tendência é que a próxima temporada seja igual a que passou.

MURILO: Se chover muito e ainda tivermos maré alta os desastres que tivemos vão se repetir. Os problemas que nós vimos no Rio do Brás foi decorrente dessa conjunção. Eu separo o problema do saneamento em duas partes. A primeira se refere a concessionária Casan. Eu falo concessionária já que pode não ser a Casan. Quem decide isso é o prefeito. Ele contrata a concessionária e historicamente é a Casan. O responsável pelo saneamento não é a Casan, é o prefeito. Ele contrata uma empresa para executar o projeto que ele tem pro município. Ele primeiro de tudo tem que ter projeto. Fui quatro anos presidente da Fatma e pude acompanhar que a prefeitura historicamente não tem projeto de saneamento. Quem faz é a Casan. Ela me visitava muito com propostas de liberar uma rede aqui e outra alí, sem nenhum projeto macro da cidade. Isso é responsabilidade do prefeito. Vou colocar um novo padrão de conversa com a Casan. Vou dizer o que ela tem que fazer e isso inclui a aplicação de novas tecnologias. Ela reluta em usá-las.

JORNAL CONEXÃO: Qual seria já a sua primeira ação em janeiro?

MURILO: De forma emergencial existe saída para esse verão. Eu espero que ainda antes do verão o Governo do Estado e a prefeitura apliquem uma tecnologia que nós elaboramos a proposta, quando eu era Secretário de Planejamento do Estado, que não usa produtos químicos que limpa rapidamente uma região contaminada. Temos uma proposta para fazer isso no Rio do Brás. Se isso não ocorrer até janeiro, quando eu assumir no dia primeiro será uma das ações.

JORNAL CONEXÃO: É a colocação do que, na água?

MURILO: É um sistema chamado de oxigenação molecular. Usa o oxigênio e baixo uso de energia que limpa. Isso é muito moderno. Isso falta para Florianópolis. Enxergar o que temos de moderno. (…) A indústria usa essa tecnologia para tratar seus dejetos.

JORNAL CONEXÃO: Candidato, aqui no Norte da Ilha vivemos uma série de problemas em relação a segurança. Ela é dever so estado, mas a prefeitura pode fazer uma interlocução. Como o senhor vai agir nisso?

MURILO: A Guarda Municipal tem 160 agentes e só 60 estão nas ruas. Nós temos que colocar os 160 nas ruas. Temos que nos conectar com a PM. Vamos negociar com eles. Se eles não estarão em determinadas regiões, e Guarda Municipal tem que estar. (…) É um complemento para onde a PM não estiver. Mas estou propondo uma medida de apoio à PM. Através de parceria público/privado vamos trocar a iluminação de toda a cidade por lâmpadas de led e ter wi-fi nos postes. Isso já daria a PM mais condições tecnológicas de acompanhar o que está acontecendo. Temos que investir na urbanização dos espaços de áreas de risco da cidade. Se integrarmos essas área na cidade, o marginal fica sem espaço para se esconder.

JORNAL CONEXÃO: Nessa atual administração, o prefeito Cesar Souza Júnior havia prometido, ainda durante a campanha eleitoral, uma praça para os Ingleses e aqui não temos espaços de lazer. Como o senhor poderia atacar esse tema, já que o único espaço de lazer é a área da praia e no inverno não temos para onde ir?

MURILO: Nós temos praças na cidade que inclusive estão abandonadas e a prefeitura sabe como fazer. A Praça dos Bombeiros, no centro foi revitalizada, com a iniciativa privada, por que isso não é feito nos outros lugares, por que não faz uma parceria? A prefeitura entra com a parte de infraestrutura, de custo mais denso, mais a manutenção, depois a qualificação da praça pode ser feito com parceiros. Eu não tenho dúvida, aqui por exemplo nos Ingleses vai ter muito empresário, comerciante que vai estar disposto a dar a sua contribuição desde que a prefeitura entre com uma parte.
A gente se acostumou aqui em Florianópolis a ter as praias, não é suficiente, primeiro que tem muita gente que não gosta de praia e depois a praia nem sempre é utilizada ao longo do ano, as vezes nós temos temperaturas baixas e precisa ter opções, alternativas. Então nós estamos mal acostumados a achar que nossos parques eram as praias e isso não é verdade. Então é muito fácil você fazer isso em parceria, já há casos na cidade que foram feitos pela atual gestão, mas o que não aconteceu foi expandir isso para a gestão atual.

JORNAL CONEXÃO: O senhor está concorrendo pelo PSB, e fala sempre em gestão técnica na prefeitura, mas em relação aos seus correligionários, como será a distribuição de cargos? Vai ter escolhas políticas ou somente técnicas?

MURILO: Eu só tenho um compromisso e uma promessa garantida, que é a escolha dos cargos por especialistas, não abro mão disso. Eu não seria candidato a prefeito se eu não fosse cumprir essa promessa. Vai haver pressão, se alguém indicar um bom nome qualificado, vai haver uma exigência técnica, se não for especialista não vai assumir o cargo.

JORNAL CONEXÃO: O que o cidadão pode ter certeza da sua administração se o senhor ganhar?

MURILO: Primeira coisa, eu bato na mesma tecla todo o tempo, teremos uma gestão técnica, não é ignorar a política. É debatermos com a sociedade o futuro da cidade, nós precisamos construir qual é a cidade que queremos para daqui há 20 anos. Isso é um debate político, o que eu garanto é construir esse debate na cidade, mas os executores serão técnicos que não estarão submetidos a interesses eleitorais. O pior gestor é aquele que está no cargo, seja um prefeito ou secretário pensando na sua decisão, o que ela vai afetar sua eleição lá na frente, isso não vai acontecer na minha gestão.