CRIME

Morte de agente penitenciário ainda é um mistério para a polícia

Carro encontrado junto ao corpo não era da vítima

COMPARTILHE ›
Foto: JCC / JCC
Foto: JCC / JCC

A morte do agente prisional Misael Baruffi neste domingo na Praia dos Ingleses ainda é um mistério para a polícia. O homem foi executado na Rua Marinho no amanhecer de domingo. O que mais deixa os policiais intrigados é o fato de que o carro de Misael foi encontrado em uma rua próxima com a chave na ignição e próximo ao corpo estava outro carro com a porta batida e marcas de tinta vermelha, mesma cor do carro da vítima.

Segundo a Secretaria de Justiça e Cidadania, o homem tinha 31 anos e trabalhava no sistema prisional há cinco anos, atuando no Presídio de Florianópolis. Ele era casado e tinha um filho.

Após a hipótese de execução, a polícia agora trabalha com uma outra linha de investigação. O dono do carro encontrado junto ao corpo, um pálio branco, afirmou que o veículo havia sido roubado. Os policiais acreditam que após os dois veículos se envolverem em uma colisão, houve perseguição e os bandidos, após matarem Misael, fugiram no carro da vítima.

Misael será enterrado nesta segunda-feira (13) no Norte da Ilha.

NOTA DA SECRETARIA DE JUSTIÇA E CIDADANIA

A Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania (SJC) informa, com pesar, o falecimento do Agente Penitenciário Misael Baruffi. Misael tinha 31 anos, era natural de Concórdia, trabalhava no Presídio Masculino de Florianópolis, localizado no Complexo da Agronômica,  e faleceu na manhã deste domingo, 12, após ser alvejado por diversos disparos de arma de fogo. Logo após tomar ciência do ocorrido uma equipe da SJC se deslocou ao local do homicídio e permanece acompanhando as investigações que estão a cargo da Delegacia de Homicídios da Capital. Até o momento não há nenhuma motivação conhecida para o crime e os autores ainda não foram identificados. A SJC manifesta o seu profundo pesar e se solidariza com a dor dos familiares, amigos, colegas de trabalho e, na oportunidade, presta suas condolências aos familiares pela irreparável perda.