COMBATE AO MOSQUITO

Exército vai atuar na varredura de focos do mosquito na quarta

Soldados do Exército vão visitar casas e terrenos em Canasvieiras

COMPARTILHE ›

Mosquito Aedes aegypti
Mosquito Aedes aegypti
A guerra contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e febre chikungunya ganha um importante aliado a partir desta quarta-feira (10), o 63º Batalhão de Infantaria de Florianópolis vai atuar com 40 soldados para trabalhar na eliminação e prevenção aos possíveis focos nos imóveis em locais onde há infestação do mosquito. Eles estão aptos a identificar os locais propícios para a reprodução do mosquito transmissor e evitar que se tornem criadouros.

O Ministério da Defesa atendeu ao pedido de ajuda do Exército para reforçar a ação de monitoramento e combate à reprodução do mosquito.

Os soldados que vão atuar na varredura dos imóveis foram treinados pelas equipes da Vigilância em Saúde da Prefeitura de Florianópolis. No Norte da Ilha a ação acontece no bairro de Canasveiras a partir das 13h.

Terrenos baldios ou abandonados com mato e lixo e pátio de casas com recipientes que acumulam água se tornam ambientes ideais para o mosquito se criar, por isso a necessidade dos proprietários realizarem limpezas frequentes.

Na semana passada os proprietários de terrenos baldios receberam notificações da Prefeitura para que façam a limpeza e regularização das áreas com potencial para abrigar criadouros do mosquito. Eles têm 15 dias para atender à notificação. Nesse período, os locais serão visitados novamente e, caso persista a irregularidade, os proprietários serão multados pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (SMDU).

Larvas do mosquito
Larvas do mosquito
IMPORTANTE
Do ovo à forma adulta, o ciclo de vida do Aedes aegypti varia de acordo com a temperatura, disponibilidade de alimentos e quantidade de larvas existentes no mesmo criadouro, uma vez que a competição de larvas por alimento (em um mesmo criadouro com pouca água) consiste em um obstáculo ao amadurecimento do inseto para a fase adulta. Em condições ambientais favoráveis, após a eclosão do ovo, o desenvolvimento do mosquito até a forma adulta pode levar um período de 10 dias. Por isso, a eliminação de criadouros deve ser realizada pelo menos uma vez por semana: assim, o ciclo de vida do mosquito será interrompido.

Uma fêmea pode dar origem a 1.500 mosquitos durante a sua vida. Os ovos são distribuídos por diversos criadouros – estratégia que garante a dispersão e preservação da espécie.

Em condições favoráveis de umidade e temperatura, o desenvolvimento do embrião do mosquito é concluído em 48 horas. A resistência à dessecação permite também que os ovos sejam transportados a grandes distâncias, em recipientes secos. Esse aspecto importante do ciclo de vida do mosquito demonstra a necessidade do combate continuado aos criadouros, em todas as estações do ano.