EM BUSCA DE VERBAS...

Estragos causados pela ressaca são apresentados ao Governo Federal

COMPARTILHE ›
Faixa de areia desaparece no canto sul de Ingleses por causa da ressaca
Foto: Emanuel Soares / Jornal Conexão Comunidade

O prefeito Gean Loureiro está em Brasília, onde terá reuniões nesta quarta-feira (27) no Ministério da Integração Nacional e na Secretaria Nacional de Defesa Civil. Lá, serão apresentados os levantamentos feitos pela Prefeitura de Florianópolis sobre os estragos causados pela ressaca nas praias do Norte da Ilha. Ingleses, Canasvieiras e Praia Brava estão em situação de emergência.

LEIA TAMBÉM:
– Prefeito faz vistoria dos estragos causados pela ressaca no Norte da Ilha
– Posto guarda-vidas ameaça desabar na Praia de Canavieiras
– 12 FOTOS: Maré baixa e estragos da ressaca ficam evidentes na Praia dos Ingleses
– Muros deveriam ser retirados para plantar restinga, diz oceanógrafo
– Solo racha próximo ao deck dos Ingleses por causa da ressaca do mar

Uma das preocupações de moradores e empresários, é realização de reparos nas praias antes da temporada de verão. Caso contrário, isso poderia prejudicar a movimentação turística na região, além de afetar a economia da cidade. O principal objetivo da verba é recuperar acessos públicos, além de realizar melhorias necessárias.

Em entrevista ao Jornal Conexão Comunidade, o prefeito Gean Loureiro afirmou que a expectativa dele é realizar obras de reparos nas praias antes da temporada de verão. Além disso, o decreto já concede aos agentes privados a possibilidade de iniciar reparos em casas ou edificações junto ao mar.

“Nossa expectativa, liberando o recurso, é realizar antes da temporada, né! Não tem lógica deixar passar a temporada, dando prejuízo para as praias. E o decreto de emergência permite agentes privados fazer a retomada daquilo que foi destruído”, disse o prefeito.

SAIBA MAIS

Faixa de areia desaparece no canto sul de Ingleses por causa da ressaca
Foto: Emanuel Soares / Jornal Conexão Comunidade

As ressacas atingem os balneários do Norte da Ilha em Florianópolis desde o início de maio, quando a prefeitura decretou situação de emergência pela primeira vez em virtude dos estragos. Em agosto, o movimento das ondas se intensificou na costa de Florianópolis e os estragos foram ampliados. A ressaca ocorreu por muitos dias seguidos, até o mês de setembro.

Em Canasvieiras, postes caíram, ondas causaram uma enorme erosão em barrancos engolindo árvores, muros e bancos. Já em Ingleses, dezenas de construções localizadas no sul do balneário foram afetadas.