REPORTAGEM EXCLUSIVA

“É uma sensação de que não há Justiça”, diz esposa após atropelamento do marido

Morte de José Carlos Salles Dedeco completou um ano e paradeiro do motorista responsável pelo acidente ainda é um mistério

COMPARTILHE ›
Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

A morte de José Carlos Salles Dedeco, 51 anos, completou um ano no domingo (28). Até agora, ninguém sabe, ninguém viu e não há qualquer informação do atropelamento que matou o trabalhador autônomo que morava na Praia dos Ingleses. A morte ocorreu após ele ser atingido por um carro que transitava em alta velocidade pela Rua do Marisco na Praia dos Ingleses. A família disse que ele foi atingido em cima da calçada e morreu no deslocamento para o hospital.

“É uma sensação de que não há Justiça nesse país. Então isso é muito triste.Com certeza essa pessoa estava embriagada e vai repetir, vai atropelar quantas pessoas mais? É uma sensação de impunidade. Não posso trazer ele de volta, mas a pessoa que tirou a vida dele tem que pagar por isso”, afirmou Cibele Alves Guarani Kaiowá, esposa da vítima.

LEIA MAIS:
– Família busca motorista que atropelou e não prestou socorro a homem em Ingleses

Dedeco tinha seis filhos, sendo que uma delas era da união com Cibele. A família, inclusive a mãe da vítima, ainda não aceitam a ausência de José Carlos.

Próximo ao local do atropelamento existe uma câmera da segurança pública que não funcionava na época, por isso, não conseguiu flagrar o atropelamento. A investigação da polícia não foi levada em frente por falta de pistas que levem ao motorista culpado pelo acidente.

Após o veículo atingir José Carlos, o motorista fugiu do local sem prestar socorro à vítima. O acidente ocorreu por volta de 0h30. Através das câmeras de monitoramento de um prédio vizinho, na esquina com a Rua Dante de Patta, foi possível ver o veículo, mas como estava muito escuro não deu para identificar marca, placa ou cor.

“Achei pouco o interesse da polícia. Talvez por ele ser pobre e trabalhador. Pouco investigaram e argumentaram que não há câmeras que fincionem na região. Reclamei ao delegado e ele disse que os próprios moradores precisam reclamar o Conseg. Nós que pagamos, para nossa segurança, mas não funcionam”, disse Cibele.

Quem tiver qualquer informação sobre o paradeiro do motorista pode entrar em contato com o Disque Denúncia pelo 181. A denúncia é anônima e não é preciso se identificar.