SEGURANÇA E TRÂNSITO

Diretores confirmam ausência da Guarda Municipal na frente das escolas

COMPARTILHE ›

Um atropelamento na frente de uma escola municipal na Praia do Santinho evidenciou a ausência da Guarda Municipal de Florianópolis (GMF) nas proximidades das escolas do Norte da Ilha. Focada no policiamento e trânsito apenas na área central e Continente, a justificativa para a constante carência de agentes na região é a falta de efetivo. A diretora da Escola Básica Maria Tomázia Coelho, onde ocorreu o atropelamento, confirmou que Policiais Militares, que atualmente estão envolvidos numa grande operação para combater a guerra de facções, pediram para a escola formalizar na PM uma reclamação para que a corporação cobre presença da Guarda Municipal.

“Não se faz presente sempre. Segundo eles, muitas vezes estão no Sul da Ilha e só tem uma ronda. (…) Conversei com a Polícia Militar no atropelamento, e eles me disseram que nós deveríamos cobrar da Guarda Municipal o policiamento. Na hora que a gente precisa, não tem”, disse a diretora Marli Magda Müller.

A vítima do atropelamento, uma menina, teve uma fratura exposta e já está se recuperando.

Na maior escola da rede municipal a situação é a mesma. Agentes da Guarda Municipal não aparecem para reforçar a segurança no período de entrada e saída dos alunos. Lá a situação é mais difícil. Além da rua ser de mão única e não ter calçadas, os alunos que se deslocam de ônibus e precisam atravessar a SC-403 (Rodovia Armando Calil Bulos) reclamam do curto tempo do semáforo para os pedestres.

“Olha é bem raro a gente ter a presença da Guarda. Temos até um contato com os agentes que fazem a vigilância, mas o problema é que temos apenas uma viatura para atender todas as unidades de ensino da Capital. (…) A escola já solicitou apoio para a rua da frente da escola e para a travessia de estudantes na SC-403, mas a resposta é sempre é a dificuldade de efetivo para o atendimento diário. Temos um fluxo de 2 mil pessoas na entrada e saída da escola”, disse William Marques Pauli, diretor da Escola Herondina Medeiros Zeferino que completou dizendo que a ausência da GMF já vem de vários governos.

A secretária de Segurança e comandante da Guarda Municipal, Maryanne Mattos, afirmou que a ronda existe, o efetivo é pequeno, mas através de um grupo de WhatsApp, os diretores avisam para que a guarda se desloque. “Esse grupo vem crescendo e é muito utilizado. O contato é direto com o guarda da Ronda Escolar. (…) Atendemos as ocorrências e vamos intensificar as rondas. Vamos verificar a sinalização e pedir uma melhoria, se necessário. Vou visitar o local do atropelamento, e muito nos preocupa. Isso é reflexo da total falta de respeito dos condutores”, disse.

Sobre os problemas com o tempo dos semáforos na SC-403, próximos da maior escola municipal, a secretária disse que existe uma diretoria que controla os equipamentos e sempre que alguém verificar um problema, pode fazer contato com a ouvidoria da prefeitura. Técnicos devem ir ao local, com a presença da secretária, para avaliar os problemas nos tempos de travessia.

O telefone da ouvidoria da prefeitura para reclamações é o (48) 3251-4410.