APAGÃO NA SEGURANÇA

Criminosos fazem arrastões em ônibus e passageiros estão com medo

Ataques em linhas do Norte da Ilha passam de 11, mas Consórcio Fênix diz que são apenas 8 assaltos

COMPARTILHE ›
Foto: Emanuel Soares / JCC
Foto: Emanuel Soares / JCC

“Foi tudo muito rápido. Enquanto um deles rendeu o motorista, o outro foi recolhendo os objetos de valor e desceram logo após o Primavera Garden”. Esse é o relato de uma passageira de 21 anos da linha 221 – Ticen / Tican via Mauro Ramos após um assalto na noite de terça-feira (05). Os arrastões em ônibus se tornaram frequentes nos últimos dias quando, pelo menos, 11 coletivos foram atacados na SC-401. Os números foram apurados pelo Jornal Conexão Comunidade com motoristas e cobradores. Já o Consórcio Fênix diz que são apenas 8 ocorrências. Os bandidos embarcam no ponto do Floripa Shopping e enquanto mantém o motorista sob a mira de um revólver ou uma faca, o outro criminoso limpa o caixa do cobrador e retira dinheiro e pertence dos passageiros, desembarcando próximo ao Primavera Garden.

A jovem passageira que estava no ônibus assaltado nesta terça-feira disse que levaram de sua bolsa R$ 560 reais. Ficou o susto muito grande e a tensão de sair do trabalho durante a noite. “Vou sair do trabalho e rezando para que hoje não aconteça nada”.
Um outro passageiro ouvido pelo Jornal Conexão Comunidade, afirmou que estava dentro de um executivo (amarelinho) que seguia para o Norte da Ilha quando ocorreu o assalto. Ele é morador de Canasvieiras e prefere não se identificar. O ataque ocorreu na semana passada. “Eu não vi como foi, mas eles entraram e levaram R$ 800 reais do motorista e R$ 50 reais de uma passageira. Só vi depois, quando o motorista estava falando sobre o assalto. Fiquei assustado”, disse.
O Consórcio Fênix, operador do transporte público de Florianópolis, afirmou que oito casos de assaltos foram contabilizados nos veículos que circulam pela SC-401. A assessoria de imprensa das empresas afirmou que todos foram formalizados, repassados ao comando da Polícia Militar de Santa Catarina e que a segurança é obrigação da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana. Por sua vez, a secretaria disse que não tinha conhecimento dos casos relatados e ressalta que a responsabilidade da segurança é da Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina.
Nesta quarta-feira (06), o Jornal Conexão Comunidade publicou reportagem sobre a onda de furtos e roubos que atinge o Norte da Ilha. A Polícia disse que a onda suspeita da existência de uma facção criminosa. Rondas noturnas foram ampliadas com o auxílio do batalhão de Choque da PM.