POLÍCIA

Cacau Menezes é assaltado enquanto deixava churrascaria na SC-401

Bandido em uma moto colocou arma na barriga do comunicador e levou um relógio

COMPARTILHE ›
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O colunista Cacau Menezes foi assaltado enquanto deixava uma churrascaria na SC-401 na tarde deste domingo (31). Um criminoso em uma moto vermelha calçou com uma arma Cacau e Elvira com uma arma. O colunista do Diário Catarinense e do Jornal do Almoço da RBS TV teve um relógio roubado. O valor do acessório não foi divulgado.

Durante a ação criminosa, o bandido pegou a chave do carro de Cacau e a jogou em um matagal próximo. O colunista disse ao DC que acredita que o bandido não o reconheceu e que ele tinha pele branca e sotaque do oeste ou do Paraná.

“Olhei sua fuga dando graças a Deus que esse ladrão de relógios me deixou vivo”, disse Cacau.

CONFIRA O RELATO COMPLETO DAS REDES SOCIAIS

Estava saindo de uma churrascaria na SC 401 agora há pouco, ainda dia, onde fui almoçar com Elvira, e ao abrir a porta do carro apareceu um motoqueiro e parou a moto na minha frente com um revólver que encostou na minha barriga. Achei que era brincadeira de alguém que me conhecia. Ri e perguntei quem era? Elvira já dentro do carro vendo tudo e sem entender nada. Nem ela e nem eu. A poucos metros Ado Guimarães e Fernanda e outras pessoas. E de centenas de carros que passavam na SC. Ninguém viu nada. Cena de cinema. Olhei e pela cor do cara ( branco, tipo alemão) e pelo sotaque, me dei conta que era um assalto. Pediu o relógio com um revólver na minha barriga. Dei o relógio. Pediu a chave do carro, disse a ele que eu ia jogar no mato, na sua frente. Gritou pedindo a chave do carro. Dei a chave e ele jogou no mato, onde eu sugeri, e ele desapareceu.
Olhei sua fuga dando graças a Deus que esse ladrão de relógios me deixou vivo. Mas fico pensando que todos que moram nesta cidade, como eu, estão vivos, por sorte. Ou porque Deus os protege. Momento tenso que não desejo a ninguém. Mas que serve de alerta: cuidem de tudo: entrada, saída de residências, bares, restaurantes, locais públicos, de dia, de noite… A cidade é outra. A polícia não tem como resolver tudo sozinha. Os assaltos são em todos os lugares e com todas as pessoas. O risco de morrer é muito grande. Não há como prender um criminoso que usa moto. Eles desaparecem e trocam de pista em segundos.